Free Ola Bini!

Por que Equador?

Duas semanas. A prisão aqui no Equador é um misto enlouquecedor de longos períodos de isolamento e tédio intercalados com ameaças e atos de violência aleatórios. Hoje foi uma quebra na estrutura: dia de visitação.

Você pode receber, no máximo, dois visitantes por três horas. Dois dos meus melhores amigos daqui do Equador me visitaram. É sempre ótimo ver os amigos, o isolamento aqui é provavelmente o aspecto mais duro, mas depois das visitas eu sempre termino me sentindo vazio, pensativo e melancólico. Meus amigos trouxeram a pergunta sobre qual quero escrever hoje. Simplesmente, por que eu estou no Equador? E minhas experiências recentes, elas mudaram minhas perspectivas?

Tenho certeza que um monte de pessoas assumem que estou com raiva do Equador, que eu vou querer ir embora e nunca mais voltar assim que eu sair, mas não, nada poderia estar mais distante da verdade. Eu amo o Equador. Eu adoro morar aqui. Eu tenho minha vida aqui e, se me for permitido, eu gostaria de continuá-la.

Obviamente, não estou feliz de estar na minha situação atual, mas não posso culpar o país inteiro por isso. Ao invés disso, eu culpo certos indivíduos específicos que estão se valendo da minha amizade com Julian Assange e fazendo de mim um peão político sem que haja nenhum traço de transgressão. Sim, estou com raiva dessas pessoas assim como pessoas equatorianas também estão. Usar - e abusar - das leis do país desse jeito não deveria ser aceitável. Mas isso está sendo feito por alguns indivíduos e não por toda a população.

Certamente o sistema penal do Equador precisa ser reformado. As circunstâncias dos meus colegas encarcerados são uma evidência disso. A maioria deles vive em condições significativamente piores que as minhas.

O Equador não é perfeito. Há muito que poderia ser melhorado. Assim como todo o resto da América Latina, o Equador tem várias centenas de anos de história colonial com a qual lidar, seguidos por muitos anos de ditaduras militares, agitação generalizada e várias intervenções ilegais dos ditos países desenvolvidos.

Então, não. O Equador pode melhorar em várias coisas, mas da perspectiva histórica, os povos da América Latina mostraram uma força tremenda ao chegar tão longe quanto chegaram.

Então voltando à pergunta original: Por que eu vim pra cá?

Por muitas razões. E às vezes elas são difíceis de elaborar, mas algumas são muito mundanas. Eu gosto muito das pessoas daqui. As pessoas são calorosas, abertas e se importam com a comunidade. Isso me atraiu bastante! E eu posso dizer que, até na minha situação atual, essa perspectiva sobre as pessoas continua. Desde como os meus colegas encarcerados tomaram conta de mim, até como as pessoas na rua vieram até meus pais para expressar o seu apoio. Minha fé no povo Equatoriano continua forte.

Eu gosto de como política é algo com o que as pessoas se importam aqui. Está no sangue das pessoas. É algo que eu apreciei desde o começo. As pessoas no Equador falam sobre código aberto e entendem o valor político da tecnologia.

E há pessoas talentosas aqui. Quando começamos minha organização no Equador, rapidamente encontramos um time de pessoas com muito potencial, diligência e motivação. Honestamente, estou morrendo de vontade de voltar a trabalhar com elas e de continuar fazendo o bem para o mundo.

O Equador não é o paraíso. É um lugar complexo, multicultural, às vezes estranho, com todos os tipos de pessoas com diferentes visões de mundo, lidando com 500 anos de história complicada. Não vamos nos esquecer disso e reduzir o país e seu povo a uma caricatura - boa ou má -.

Estou contente de estar aqui e, com esperança, tenho um longo futuro à frente de mim no Equador. Tomara que fora da prisão.